sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Videogame deixa violento?

   Olá pessoal, aqui é o Matheus respawnando no Balaio de Noob! Essa postagem é sobre uma questão que é muito discutida e que gera muita controvérsia, os jogos eletrônicos deixam as pessoas violentas? Embora eu tenha lido bastante coisa sobre esse assunto e tenha percebido que a discussão ainda está meio longe de ter um fim ou uma conclusão, resolvi escrever a minha opinião sobre o assunto.

   Inicialmente eu procurei coisas sobre o assunto para ver o que as pessoas estavam falando e achei argumentos diversificados que citam eventos fatais onde crianças/jovens que jogavam vídeo games violentos estavam envolvidos e acusando de forma aberta os jogos por tais atitudes. Contrariamente a isso eu achei argumentos defendendo que não eram os jogos os responsáveis pelas atitudes. Ambos os lados estavam se apoiando em pesquisas e fatos levantados ao longo do anos e gerando hipóteses sobre as situações para chegar a uma conclusão e defender o seu lado. Quando li ambos os lados desse assunto, concordei em partes com os dois e isso me motivou a escrever o que tirei de melhor de tudo.

image source: Gamefm
O videogame eletrônico deixa violento?

   Quem defende que os vídeo games deixam violentos enfatizam o tempo em que as pessoas passam em frente a tela jogando e que isso afeta diretamente a pessoa, gerando algum tipo de despersonalização desprendendo da realidade e assim baixando a empatia e diminuindo a reação aos estímulos violentos. Acredito que isso tenha uma fundamento interessante, já que quando pensamos em alguém que fica muito imerso em qualquer assunto ou tema vira um fanático e o fanatismo é algo muito perigoso. De acordo com o Wikipédia fanatismo é: "o estado psicológico de fervor excessivo, irracional e persistente por qualquer coisa ou tema". Podemos citar diversos casos onde o fanatismo acabou com a sanidade, a vida e outras coisas mais das pessoas e não somente o fanatismo por jogos eletrônicos, vide fanatismo religioso, político, esportivo entre outros.

   Outro aspecto que argumentam bastante é sobre a violência e como ela é tratada, exposta, digerida nos videogames e servida aos jogadores como prato principal. A violência não é legal, mas na minha opinião dizer que é a violência nos jogos que é o total responsável por eventos que se sucederam é um tanto precipitado. Estamos rodeados por violência, na televisão, nos cinemas, nos desenhos, na rua da nossa casa podemos encontrar exemplos de violência se prestarmos bastante atenção. A violência está em todo o lugar, mas nos limitamos a acusar e apontar para onde nos é mais conveniente, para onde melhor se encaixa a culpa. A história da humanidade está envolta em violência, massacres e situações que podemos considerar desumanas e aprendemos isso quando estudamos a história do ser humano. Ao meu ver, a violência já vem vinculada em certo grau ao ser humano, só que em algumas pessoas isso aflora de forma mais intensa do que em outras e não necessariamente é apenas um ponto em específico que causa isso, mas um conjunto de fatores que se acumulam.

O outro lado da moeda...

   Do lado oposto ao que foi dito anteriormente, muitas pessoas argumentam que o videogame não influencia as atitudes das pessoas, elas se baseiam em pesquisas sobre o aumento dos jogos violentos e o nível de violência no mesmo período, chegando a conclusão de que não houve um aumento nos casos de violência devido ao aumento do número de jogos considerados violentos. Os jogos possuem diversos benefícios que nos ajudam em vários aspectos, como o raciocínio, a lógica, administração, criatividade e outros mais. Reafirmo o que eu disse mais acima nessa postagem, o fanatismo é algo perigoso, ou seja, os jogos te dão benefícios se você for com moderação e aproveitar o melhor que ele oferece.

   Na minha opinião, o papel principal de desenvolvimento está nos pais que devem ser ativos em relação ao que os filhos jogam, pois os jogos possuem faixas etárias assim como os filmes, programas de televisão entre outros. Isso é um meio de garantir que uma criança não vá se deparar com cenas inapropriadas para a idade e também para os pais saberem que o jogo é seguro para o seu filho (ou filha). Ao meu ver, mesmo que os jogos não sejam os responsáveis pelo comportamento, temos que ter o bom senso de não expor nossos filhos de forma tão aberta. Assim como fazemos com filmes, com pornografia e outros assuntos, devemos filtrar o que queremos para nós, para ter uma vida melhor e mais balanceada.

video source: Canal Nerdologia

O que eu levo disso tudo?

   Após ler sobre o assunto e escrever um pouco da minha opinião aqui no blog, chego a conclusão de que o segredo está no quanto você está imerso em algum assunto ou tema. Quanto mais fanático ficamos por um assunto, mais começamos a nos perder entre a linha tênue do que é certo ou errado, seja com videogame ou qualquer outra coisa que possa influenciar a nossa vida de alguma forma. No caso do videogame, apreciar de forma que seja uma atividade prazerosa e divertida não vai trazer malefícios, mas sim benefícios. Bem, por enquanto é só pessoal, fiquem bem e até o nosso próximo respawn!

Nenhum comentário:

Postar um comentário